Islâmicos dizem que Bíblias são “piores do que armas químicas”

porPaulo Teixeira

Islâmicos dizem que Bíblias são “piores do que armas químicas”

Um vídeo claramente feito por alguns islamistas que estão lutando e matando uns aos outros e a população na Síria revela quantidades de Bíblias e materiais bíblicos, tais como o Livro de João, enquanto o narrador os descreve como sendo “mais perigosos do que armas químicas.”

Vídeo de Bíblias confiscadas

Foto das Bíblias confiscadas

O vídeo apareceu ontem, num momento em que informes provenientes da Síria revelam como os rebeldes islâmicos que estão lutando contra o exército do presidente Bashar al-Assad estavam “libertando” vilarejos, e então forçando os cristãos ali a se converterem ao islamismo ou serem degolados.

Havia declarações de que cristãos estavam sendo raptados e executados, embora os relatórios fossem conflitantes.

O novo vídeo das Bíblias confiscadas foi postado por Eretz Zen, que se descreve como um sírio secular que se opõe “a que meu país seja transformado num Estado como o talibã.”

O vídeo mostra montes de Bíblias e outros livros na língua árabe, e um sinal postado com o aviso: “Ó nação de Maomé, acorde! Pois há coisas muito mais perigosas do que armas químicas. Cuidado com as campanhas de cristianização.”

O vídeo explica que é da região de Jarablus, na Síria.

Uma voz no vídeo explica: “[Essas Bíblias e livros cristãos] exploram as necessidades dos cidadãos sírios a fim de propagar as ideias dos cristãos.”

O narrador então descreveu um pequeno saco de pães de Santa Ceia como “derivado de carne de porco,” que é suprido “para tapear crianças ingênuas.”

De acordo com o site de Eretz Zen, o vídeo foi feito em 3 de setembro na cidade síria de Jarablus na fronteira da Turquia.

Enquanto a voz do vídeo estava falando da “cristianização” das pessoas, o jornal Mail Online confirmou que os cristãos estavam aterrorizados ao relatarem que os rebeldes sírios lhes ordenaram se converterem ao islamismo — ou sofrerem morte.

A reportagem cita como os rebeldes sírios, inclusive os que têm ligações com a organização terrorista al-Qaida, obtiveram controle do vilarejo cristão de Maaloula.

“Um residente de Maaloula disse que os rebeldes, muitos dos quais tinham barba e gritavam ‘allahu akbar’ (Alá é grande), estavam atacando lares e igrejas cristãs logo depois de invadirem a região.”

Um cristão disse na reportagem do Daily Mail: “Vi os militantes rebeldes agarrando cinco habitantes do vilarejo e os ameaçando, dizendo: ‘Ou vocês se convertem ao islamismo, ou cortaremos a cabeça de vocês.’”

A reportagem do Daily Mail descreveu Maaloula como um “belo vilarejo de montanha, a 40 km de Damasco.”

A reportagem disse que o vilarejo historicamente cristão tinha se tornado um importante e estratégico campo de batalha da guerra civil na Síria.

Traduzido por Julio Severo do artigo do WND: Bibles called “worse than chemical weapons” (Fonte: www.juliosevero.com)

Sobre o Autor

Paulo Teixeira administrator

Paulo Teixeira é carioca, administrador do blogholofote.com.br, cristão evangélico da igreja Assembleia de Deus e atua na internet como blogueiro e articulista, desde 2007, focando assuntos sociais, políticos e religiosos, analisando-os sob a ótica cristã. Licenciado em matemática pela Universidade Castelo Branco (UCB/RJ) e graduando em história pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Perfil no Twitter: PauloTeixeiraRJ

Deixe uma resposta